... Expressividade ...

"Decifra-me mas não me conclua, eu posso te surpreender! - Clarice Lispector

Meu Diário
14/06/2018 13h08
Você...

🥀

 

 


Publicado por Mone TCarmo em 14/06/2018 às 13h08
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Simone T Carmo, www.monetcarmo.prosaeverso.net) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
 
14/06/2018 13h05
Equilíbrio...

para manter o equilíbrio, você precisa permanecer sempre em movimento, senão você perde o equilíbrio e pode cair. Portanto, não pare, mantenha-se em movimento...
.
 A lição é simples. Na vida precisamos seguir sempre em frente, sem pausas, sem estagnações, sem acomodações, caso contrário, cairemos, e a “dor” cobrirá nossa coragem de continuar em movimento!


Publicado por Mone TCarmo em 14/06/2018 às 13h05
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Simone T Carmo, www.monetcarmo.prosaeverso.net) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
 
14/06/2018 13h04
Inveja...

🙄



Publicado por Mone TCarmo em 14/06/2018 às 13h04
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Simone T Carmo, www.monetcarmo.prosaeverso.net) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
 
13/06/2018 12h48
Onde está o amor afinal?

Onde está o amor, afinal? (Texto de Odir Fontoura para Robson Rogers). 

Compartilho por ser o texto mais fodastico que já li a respeito de relacionamento... um texto humano, de amor e de VERDADES... ((admiro esses meninos por simplesmente amar e se respeitarem ... ))

 

 

 

 

Na sociedade de consumo, tudo é descartável, incluindo as pessoas. E quando se descarta como lixo essa coisa chamada gente, vão embora junto os aprendizados, as relações, as histórias que poderiam virar lembrança e acabam não virando nada. Tudo aquilo que um dia poderia virar sorriso na hora deitar a cabeça no travesseiro na hora de ir dormir acaba se tornando apenas isso: nada. Sem perceber, a gente joga vários possíveis momentos de eternidade no saco do lixo porque a gente sempre acha que pode mais, que vai achar alguém melhor, que se “encaixa” melhor no que a gente é (como se a gente soubesse o que a gente é, ou como se a gente soubesse o que realmente quer). 

 

 

 

 

E nessa busca incessante do melhor, do mais bonito, do mais inteligente, do que melhor se encaixa, muita coisa fica no meio do caminho. Muita gente fica no meio do caminho. As pessoas terminam histórias sem nem mesmo ter se arriscado a começar nenhuma delas. As pessoas descartam umas às outras porque querem sempre algo melhor, e esse melhor aparentemente está sempre disponível. O tempo é curto, a pressa é infinita e a oferta também. É só abrir o aplicativo, comparar e escolher, como se a gente estivesse comprando qualquer coisa no Mercado Livre. Mas no final das contas o tempo passa e a gente percebe que, justamente por ter termos buscado, incessantemente, esse produto que todo mundo chama de “amor”, a gente não conseguiu encontrá-lo por uma simples razão: o amor não se encontra, não se acha. O amor se faz. Se constrói. Aliás, o amor também destrói. O amor também faz doer, porque nada cresce em terra seca e dura: a terra tem que estar revirada pra isso acontecer. 

 

 

 

 

Fazer o amor é uma coisa que leva tempo. E ele nunca fica pronto. 

 

 

 

 

Te amo.

 

 


Publicado por Mone TCarmo em 13/06/2018 às 12h48
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Odir Fontoura para Robson Rogers ) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
 
13/06/2018 11h20
Envelhecer...

Aquele momento que a gente entende o significado de envelhecer e saber que tudo é mais dificil e complicado... Que as pessoas já te seleciona pela idade e não pela experiência e te descarta com a mesma facilidade de um erro de impressão...



Publicado por Mone TCarmo em 13/06/2018 às 11h20
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Simone T Carmo, www.monetcarmo.prosaeverso.net) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.



Página 4 de 130 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras