... Expressividade ...

"Decifra-me mas não me conclua, eu posso te surpreender! - Clarice Lispector

Áudios

Repare, eu decidir entrar...
Data: 26/12/2016
Créditos:
Texto/Voz: MoneCarmo
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (MoneCarrmo) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.


E como diz a musica:
 (...) mais amor, mais perdão
mais Deus e menos bla bla bla (...)

Repare o quanto mergulhaste em mim, sei que pensavas que poderia ser rasa, e sei que tu ainda mergulhas mais a cada dia e mais fundo em mim... Não acho ruim, me faz ate cosquinhas e fazendo te permito ficar e ficando é que peço que enxugue os espaços molhados por cada mergulho teu...
 
O que é mas estranho ou indagador ou mesmo provocativo e esse poder de me ter sem ter... Essa urgência de me encher de água que brota de tuas chegadas em mim... Em voz,
                                    em frases e
                        mesmo com piadinhas sem graça...
 
Consegues perceber o tamanho da encrenca que nos permitimos viver? O tamanho do universo pessoal que  cada um permitiu o outro à entrar e assim, expostos ficamos enquanto fitava-mos a alma que brilhava pela nossa retina?...

E repare, eu decidir entrar!
 
E entrando, encontrei uma casinha bagunçada mais bonitinha e fui entrando... E agora descobrindo lugares me perco sem encontrar a saída, porém, lá é quente,
                      e aconchegante
                              e tem carinhos tão simples
             como um café quente pra beijar depois de um bom dia!!
 
Ah menino atemporal acrônico, repare onde estou nesse agora? Dentro do teu coração que pulsa acelerado ao descobrir mais umas linhas tortas, onde tu te personifica na minha mais descreta umidade entre as pernas... E então te grito em urgências desse tempo que parou depois do ultimo beijo...

 
 
Rosa de saron - Se
(...)
Se eu não tivesse orgulho pra ferir
Se eu não tivesse vaidade e estivesse na idade de quem pode rir
Eu diria: "Oi amor, já disse amo você?"
Se eu não coubesse em mim
Se eu não tivesse o que falar. (...)
Enviado por MoneCat em 20/12/2016

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (MonetCarrmo) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.



Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras